Olha Eu aí no Centro da Foto...

sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

Tricomoníase

Tricomoníase: infecção da vagina e do pênis
Infecção causada pelo protozoário Trichomonas vaginalis, que pode se hospedar no colo do útero, na vagina e/ou na uretra.

Sinais e Sintomas

Muitas mulheres infectadas pelo Tricomonas podem não sentir nenhuma alteração ou reação. Quando os sintomas surgem, esses são, principalmente, corrimento amarelo-esverdeado, com mau cheiro, dor durante o ato sexual, ardor, dificuldade para urinar e coceira nos órgãos sexuais.

Na mulher, a doença pode também se localizar em partes internas do corpo, como o colo do útero. A maioria dos homens não apresenta sintomas. Quando isso ocorre, consiste em uma irritação na ponta do pênis.

Formas de contágio

O contágio se dá através de secreções, durante contato sexual desprotegido com parceiro contaminado.

Prevenção

Uso de preservativo em todas as relações sexuais, vaginais, orais ou anais.

Tratamento

O tratamento é feito com antibióticos e quimioterápicos. Parceiros sexuais devem ser tratados ao mesmo tempo. Pessoas em tratamento devem suspender relações sexuais até que o tratamento esteja completo e os sintomas tenham desaparecido.

Em homens, os sintomas podem desaparecer dentro de algumas semanas, mesmo sem o tratamento. No entanto, mesmo sem nunca ter apresentado sintomas, pode continuar infectando seus parceiros, até que seja tratado.

Como outras DST, caso não seja tratada, a tricomoníase aumenta a probabilidade de uma pessoa ser infectada ou infectar a outros com o vírus da aids, o HIV. Pode também gerar complicações durante a gravidez, ocasionando ruptura da bolsa antes da hora, parto prematuro e nascimento de bebê com peso baixo.



Fonte: www.aids.gov.br

Clamídia

Clamídia: doença sexualmente transmissível
a. O que é Clamídia?

Clamídia é uma bactéria que causa uma Doença Sexualmente Transmissível (DST). Homens e mulheres podem contrair Clamídia. A maioria dos casos se apresenta em mulheres, principalmente mulheres com idades até 24 anos. O colo do útero de mulheres jovens é mais vulnerável à Clamídia que o colo do útero de mulheres mais velhas.

1. Como a Clamídia é transmitida?

A Clamídia é transmitida através de contato com uma pessoa infectada durante sexo vaginal, anal ou oral.

2. Quais são os sintomas da Clamídia?

Muitas pessoas com Clamídia não apresentam sintomas, especialmente as mulheres. Quando eles aparecem, as mulheres podem observar corrimento vaginal, dor ou sangramento durante ou após relações sexuais, e dor ou ardência ao urinar. Os homens podem apresentar corrimento grosso e amarelado ou esverdeado, e dor ou ardência ao urinar.

A infecção por Clamídia do ânus pode causar dor, sangramento, pus ou corrimento, ou constipação. Se você acha que foi exposto a Clamídia seu médico poderá fazer os exames necessários para saber se você está infectado, até mesmo se você não apresentar os sintomas.

Mesmo que você não apresente sintomas, dê a chance para que o seu médico descubra infecções que não apresentem sintomas. Esta é a verdadeira razão dos exames de rotina.

3. Como a Clamídia é tratada?

A Clamídia é tratada com antibióticos, e geralmente, em dose única. Como o risco de reinfecção é alto, mulheres devem refazer o exame 3 a 4 meses após terminar o tratamento. É possível que uma pessoa seja re-infectada caso seja novamente exposta à Clamídia.

4. O que acontece se a Clamídia não for tratada?

Se a Clamídia não for tratada ela pode causar dores fortes e danos irreversíveis ao sistema de reprodução, podendo ainda, provocar a infertilidade em homens e mulheres. Em mulheres, a Clamídia pode causar doença inflamatória pélvica (DIP). A DIP pode não apresentar sintomas. Mas quando eles aparecem, podem incluir dor no baixo ventre, câimbra, ardência ao urinar, dor ou sangramento durante ou após relação sexual, corrimento vaginal, tontura e vômito, e febre.

Se não for tratada a DIP pode tornar a gravidez difícil ou até impossível. Ela pode, ainda, causa gravidez tubária e dores no baixo ventre a longo prazo. Assim como outras DTS, a Clamídia não tratada aumenta a probabilidade de uma pessoa ser infectada ou infectar a outros com o vírus da AIDS, o HIV. Se você tiver algum sintoma ou achar que foi exposto à Clamídia, faça o teste e o tratamento imediatamente para evitar complicações.

5. Os parceiros sexuais também precisam fazer o tratamento?

Sim. Se o diagnóstico der positivo para Clamídia, é importante avisar a todas as pessoas com quem você teve relações sexuais nos últimos 02 meses para que elas também façam os exames médicos e sejam medicadas. Tome todos os medicamentos indicados até o fim do tratamento mesmo se você melhorar antes de terminar. Não faça sexo sem camisinha até que as pessoas com quem você mantém relações sexuais tenham feito o tratamento completo e os sintomas tenham desaparecido, caso contrário você poderá ser infectado novamente.

6. E se eu estiver grávida?

A Clamídia não tratada durante a gravidez pode causar dificuldades no parto ou ainda parto pré-maturo. No recém-nascido ela pode provocar infecção nos olhos e nos pulmões. Todas as mulheres grávidas devem fazer, o quanto antes, os exames médicos de doenças sexualmente transmissíveis (DST), inclusive o de HIV/AIDS. Você deverá refazer o teste durante a sua gravidez caso você tenha alto risco de contrair uma DST. DTS não tratadas podem ser muito perigosas. Use camisinha de sempre que fizer sexo.

7. Como posso evitar a Clamídia?

Use camisinha sempre que fizer sexo vaginal, oral ou anal. Se você for alérgico a látex, pode utilizar camisinhas de poliuretano ou outros materiais sintéticos.



Fonte: Department of Health and Mental Hygiene, New York City Government - 12/2003

Tireoide

Distúrbios da tireóide
Doenças simples de diagnosticar e tratar, podem atingir qualquer pessoa, Os distúrbios da Tireóide - Câncer, Hipotireoidismo e Hipertireoidismo - são pouco valorizados por pacientes e médicos e, muitas vezes, seus sintomas são confundidos com os de outras doenças.

“Porém, quando não tratados, podem gerar problemas ainda mais graves e levar à morte”, alerta o dr. Abrão José Cury Jr., presidente da Regional São Paulo da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

Os sintomas do Hipertireoidismo podem ser alterações emocionais, como agitação, insônia, falta de apetite e emagrecimento. No idoso, pode provocar importante descompensação cardíaca, chegando à Insuficiência - último estágio das doenças do coração.

O Hipotireoidismo leva ao enfraquecimento físico e mental, gerando lentidão de comportamento, sonolência e quadro depressivo. A redução do metabolismo pode levar ao coma e à morte.

A glândula Tireóide fica na região do pescoço, é respons ável pelo equilíbrio do metabolismo humano e seus distúrbios podem surgir na infância. Em geral, não há como prevení-los e podem ser confundidos com outras doenças. Diante disso, o importante é passar periodicamente pela avaliação do médico.

O diagnóstico é simples. O médico deve pedir exames laboratoriais, apalpar a Tireóide para detectar alterações e confirmar qualquer suspeita com a ultra-sonografia. Nos exames, é necessário dosar o TSH, estimulante da Tireóide fabricado pela Hipófise, glândula que fica no cérebro, e o hormônio T4, produzido pela própria Tireóide.

O tratamento também é simples. No Hipotireoidismo, o paciente toma remédios que compensam a falta de hormônios. No Hipertireoidismo, toma medicamentos que bloqueiam a produção excessiva de hormônios e alguns casos podem ser tratados com cirurgia. No caso de câncer da Tireóide, o diagnóstico precoce permite que o tratamento tenha total sucesso.



Fonte: Brasil Medicina

Artrose

O que é artrose e "bico de papagaio "?
A artrose constitui a forma mais comum de reumatismo, sendo, na realidade, uma das doenças mais frequentes na espécie humana e um dos principais fatores de incapacidade física dos idosos.

Em graus variados, julga-se que afeta a maior parte da população depois dos 60 anos, embora só em alguns casos atinja gravidade suficiente para determinar sintomas e conduzir ao diagnóstico definitivo.

A observação da artrose em numerosos esqueletos pré-históricos demonstra a sua antiguidade. Não se trata pois de uma "doença da civilização" embora as articulações afetadas sejam, em certa medida, influenciadas pela adaptação da espécie á postura ereta e pela profissão.

A frequência da artrose aumenta com a idade. Trata-se de uma doença que afeta cerca de 20% da população aos 40 anos e quase 100% aos 80 anos.

Embora não haja cura para a artrose, o tratamento adequado permite aliviar os sintomas, melhorar a capacidade funcional e a qualidade de vida, bem como prevenir ou corrigir problemas articulares mais graves. O conhecimento do paciente sobre a sua doença representa, como em quase todas as formas de reumatismo, um elemento da maior importância na determinação dos resultados do tratamento.

O que é Artrose

A artrose resulta da destruição progressiva dos tecidos que compõem as articulações, conduzindo à instalação progressiva de dor, deformação e limitação dos movimentos. Numa articulação normal, os topos dos ossos que a compõem estão cobertos por um material elástico esbranquiçado, a cartilagem, que permite o deslizamento suave dos ossos e atua como uma almofada que absorve o impacto dos ossos no movimento.

Os ossos de uma articulação são mantidos em posição por ligamentos e tendões, que permitem apenas os movimentos normais. Os músculos são também determinantes na manutenção da estabilidade da articulação, sendo esta encerrada numa cápsula fibrosa, no interior da qual uma pequena quantidade de liquido sinovial acua como lubrificante.

Na artrose, começa por ocorrer uma deterioração da cartilagem, que perde a sua regularidade e elasticidade, o que diminui a sua eficácia e contribui para a sua destruição adicional com o uso e traumatismo. Com o tempo, grande parte da cartilagem pode desaparecer completamente.

Na ausência completa da tal "almofada" da cartilagem os ossos roçam diretamente entre si, causando sensação de atrito, dor e limitação de movimentos . Com o tempo, podem sofrer deformação visível ou palpável, cuja tradução mais comum consiste nos osteofitos, conhecidos popularmente, na coluna por bicos de papagaio.

Em alguns casos, fragmentos da cartilagem ou do osso soltam-se para o interior da articulação, podendo bloquear os seus movimentos. Por outro lado, as estruturas de contenção da articulação, como os tendões e ligamentos , são colocados sob tens ão excessiva, podendo romper ou inflamar.

Estas alterações, que constituem uma importante causa de dor e incapacidade, podem ser eficazmente tratadas, quando a doença é detectada precocemente. Torna-se possível, com tratamento adequado, evitar ou retardar grande parte da destruição da articular e suas consequências.

Quais articulações afetadas

Todas as articulações poderão ser atingidas pela artrose. Contudo, a anca, os joelhos, os pés e a coluna (articulações de carga) são, de longe, as mais vulgarmente atingidas, devido ao esforço a que são sujeitas.

Uma forma relativamente comum, mas particular, atinge predominantemente as articulações mais próximas das unhas das mãos, problemas mais frequentes em mulheres após a menopausa.

A articulação da base do polegar é também afetada com frequência, particularmente em donas de casa e noutras profissões com uso intensivo do polegar. Articulações como os ombros, os cotovelos, os punhos e os tornozelos menos frequentemente são atingidas, a não ser como consequência de traumatismos ou de certas doenças gerais .

Quem corre maior risco ?

De uma maneira geral, a artrose é mais frequente e mais grave no sexo feminino. A obesidade constitui um importante fator de risco, sobretudo no caso do joelho e da anca, sendo a relação menos clara para a artrose da coluna, embora a obesidade aumente a dor nesta situação, não existindo no que se refere à artrose das mãos .

Algumas profissões com particular exigência física têm também maior tendência a determinar artrose, sendo esse o caso da industria têxtil, em relação ao polegar, da agricultura relativamente à anca e da industria mineira na artrose do joelho.

A doença tem alguma carga hereditária, particularmente nas formas generalizadas atingindo as mãos. Por outro lado, todos os traumatismos podem aumentar o risco de artrose, particularmente quando ocorrem fracturas que atingem as articulações ou rompem os seus ligamentos.



Fonte: Brasil Medicina

Verrugas

As verrugas genitais são sexualmente adquiridas
As verrugas genitais, também chamadas de condiloma acuminado, são extremamente freqüentes, sendo causadas pelos papilomavírus dos tipos 6 e 11.

Os vírus são transmitidos pelo contato sexual, sendo incomum a auto inoculação das mãos para a genitália. Os recém-nascidos podem adquirir a infecção das mães durante o trabalho do parto, com papilomas na laringe.

As verrugas sexualmente adquiridas são extremamente contagiosas, sendo a sua infectividade de 60%. Aparecem após um longo período de incubação, que varia de duas semanas a oito meses (três meses em media). As lesões aparecem subitamente e são geralmente assintomáticas e indolores.

Nas mulheres, passam desapercebias em virtude da localização intragenital (vagina e colo uterino), mas também surgem no intróito vaginal e vulva. Nos homens, podem ser encontradas na glande, corpo do pênis, prepúcio, freio, meato urinário, escroto, ânus e reto. As verrugas se desenvolvem em regiões quentes e úmidas, podendo ser solitárias ou múltiplas, sendo o diagnóstico eminentemente clínico.

Realmente, o reconhecimento é relativamente fácil, todavia exige a diferenciação com o condiloma da sífilis secundária, molusco contagioso, cistos sebáceos e tumores benignos ou malignos. Todas as mulheres com verrugas genitais, mesmo sem quaisquer outros sintomas, devem ser investigadas para candidíase (sapinho), tricomoníase, gonorréia, clamídia e vaginose bacteriana, pois as verrugas podem preceder outras infecções ou doenças sexualmente transmissíveis.

Os homens, homo ou heterossexuais, também devem colher amostras da secreção uretral com o objetivo de excluir infecções concomitantes por gonococos , clamídias e uretrite não gonocócica, mesmo que não apresentem sintomas.

Da mesma forma, os homo e bissexuais precisam fazer proctocospia para afastar a presença adicional de verrugas dentro do reto assim como gonorréia e herpes simples. Ainda é fundamental o exame de sangue para sífilis, o rastreamento de contatos e o exame periódico de parceiros sexuais regulares.

As complicações das verrugas genitais são raras, podendo aumentar de forma alarmante durante a gravidez, atingindo a forma de uma couve-flor. No sexo masculino, verrugas gigantes benignas, porém destrutivas podem ocorrer no pênis ou verrugas pequenas coalescer e aumentar rapidamente.

Também foi identificada a transformação maligna dessas verrugas. O molusco contagioso é causado por um poxvírus, surgindo como pápulas umbilicadas de colaração branco-pérola na região genital, podendo ser transmitido por via sexual e não sexual (piscinas, saunas, escolas) através de contatos, toalhas ou roupas.

O tratamento da verruga genital é feito com a aplicação tópica de medicamentos, devendo ser aplicada duas ou três vezes por semana, protegendo a área em torno da lesão. Dependendo da concentração poderá apresentar menos efeitos colaterais, permitindo o uso no domicílio.

Finalmente, existe o eletrocautério ou crioterapia nas verrugas extensas ou numerosas. As verrugas podem regredir e reaparecer espontaneamente, tornando difícil a avaliação de outros produtos, como vacinas.

Durante a gravidez, é melhor não tratar, tendo em vista a toxicidade do medicamento, assim como pela possível ação mutagênica do produto.
Durante o parto, está indicada a cesariana se as verrugas oferecerem dificuldades. Infelizmente não se sabe ainda se o contágio pode ser prevenido por meio do tratamento da genitora durante a gravidez.

A mulher sexualrnente ativa deve ser submetida todos os anos ao exame ginecológico preventivo, a fim de afastar enfermidades que não aparecem ou não apresentem sintomas.



Fonte: Dr. Mário Cândido de Oliveira Gomes
Clínico Geral e livre-docente em doenças infecciosas e parasitárias

Mau Halito

Mau hálito - um problema social
Halitose, mau hálito ou "fetor ex ore" é uma sensação desagradável do hálito para o indivíduo ou para as pessoas que o cercam. Tal sintoma implica em severos problemas sociais, como virar o rosto, manter certa distância ou evitar o diálogo.

O mau hálito ou hálito fétido pode ocorrer em pessoas normais ou sem alterações orgânicas, porém, na maioria dos casos, existe uma causa para ser corrigida. A presença de halitose é determinada exclusivamente pelo olfato através do epitélio nasal.

O odor pode ser classificado como cetônico (diabetes), ácido, alcoólico, urêmico, de cebola, de alho, azedo ou queimado qualidade e a intensidade do hálito sofrem modificações com a idade: no bebê é doce, no adolescente-pungente,. na meia-idade torna-se incômodo e na velhice, pesado e azedo.

No entanto, existem mudanças do hálito durante o dia: pela manhã é normalmente desagradável (diminuição do fluxo salivar, putrefação de células, alimentos e saliva), todavia, após a primeira alimentação ou higiene oral, o mau cheiro desaparece.

A fome também contribui para o aparecimento de odor pútrido, mas a principal origem é dos pulmões, por eliminação de produtos da quebra de gorduras e proteínas. A halitose pode ser classificada em primária (exalada pelos pulmões) ou secundária (origem na boca e vias aéreas superiores).

Entre as principais causas de halitose primária, podemos mencionar: alimentos de odor carregado (álcool, queijo, alho, cebola, azeitona, ovo, condimentos e frios), cigarros (odor do tabaco ou formação de língua pilosa que retêm restos alimentares), medicamentos (antibióticos, complexo B, sulfas, etc), menstruação e até o estresse. Da mesma forma, o hálito pode estar alterado por doenças sistêmicas, como as alterações intestinais, hepáticas, pulmonares, renais, diabetes e estados febris.

O estômago, sempre caluniado, somente determina halitose em casos de eructações gástricas (arrotos). Nas halitoses secundárias de origem bucal, há uma decomposição de matéria orgânica originada nas células epiteliais descamadas, podendo ocorrer por alterações da saliva, proliferação bacteriana, doença periodontal (gengivite) e língua saburrosa.

Os vegetarianos têm menor tendência à halitose, porque existe menor degradação de restos oriundos dos vegetais. A carne vermelha contém gorduras e ácidos graxos voláteis produzidos no tubo digestivo, sendo excretados pela respiração.

O tratamento da halitose consiste no afastamento de suas causas, sendo importante o estado emocional, intervalo entre as refeições, a ingestão de certos medicamentos e alimentos. Como a maioria dos odores expirados se origina de condições bucais cabe ao dentista o tratamento profilático bucal e orientação geral.

Entre as formas de prevenção, citam-se: bochechos com água oxigenada, bicarbonato de sódio, anti-sépticos e clorexidina. Escovações dos dentes e da língua são fundamentais, porém a restrição de certos alimentos e a ingestão freqüente de água também são importantes.



Fonte: Dr. Mário Cândido de Oliveira Gomes
Clínico Geral e livre-docente em doenças infecciosas e parasitárias

quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

Anemia

Anemia: muitos têm, poucos sabem
Fator genético ou falta de ferro no organismo são algumas causas da doença, que atinge 30% da população mundial.

A doença, caracterizada pela falta de ferro no organismo, atinge principalmente crianças, mulheres e idosos. No universo feminino, o problema é cada vez maior. De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), 2/3 das mulheres em algum momento da vida podem apresentar anemia.

"Isso se deve à perda excessiva de sangue pela menstruação, carência de nutrientes ou por causas genéticas", afirma o hematologista Gustavo Betarello.

Por isso, informação e bons hábitos alimentares são fundamentais para evitar a doença, caracterizada pela diminuição das células sangüíneas vermelhas ou do nível de hemoglobina.

Segundo Dr. Bettarello, a diminuição dessas células reduz o transporte de oxigênio para os tecidos. "É necessário que a hemoglobina esteja presente em níveis adequados para garantir a oxigenação apropriada de todos os tecidos do organismo", ressalta.

Quando a oxigenação não ocorre corretamente, levando à anemia, o indivíduo pode apresentar sensação de fraqueza, mal-estar e palidez cutânea. Em casos mais graves, podem ocorrer falta de ar e insuficiência cardíaca. Para diagnosticar a doença basta um simples hemograma.

"Qualquer anemia deve ter sua causa investigada para que o tratamento apropriado seja instituído assim que possível. Às vezes, a primeira manifestação de uma grave doença pode ser uma anemia", ressalta Bettarello.

O tratamento depende da causa e da gravidade, mas comer alimentos ricos em ferro pode ajudar no tratamento e a prevenir a doença. "Beterraba, fígado, grão-de-bico, ervilha, rapadura, lentilha, cereais integrais, como nozes, castanhas e hortaliças podem complementar o cardápio para o paciente anêmico", ressalta a nutricionista Simone Castilho.

Para ela, é fundamental procurar um médico desde a primeira suspeita de anemia.

Como toda doença, se não for tratada a tempo, a anemia pode piorar substancialmente a qualidade de vida, diminuir o rendimento no trabalho e nas atividades físicas e, em casos mais graves, comprometer as funções cardíaca, renal e cerebral.

"Por mais que a doença possa ser simples, não se pode menosprezá-la. É importante a realização do hemograma pelo menos uma vez ao ano".



Fonte: Dr. Bettarello

Sinusite

Sinusite: sintomas e recomendações
Sinusite é a inflamação das mucosas dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos.

Os seios da face dão ressonância à voz, aquecem o ar inspirado e diminuem o peso do crânio, o que facilita sua sustentação. São revestidos por uma mucosa semelhante à do nariz, rica em glândulas produtoras de muco e coberta por cílios dotados de movimentos vibráteis que conduzem o material estranho retido no muco para a parte posterior do nariz com a finalidade de eliminá-lo.

O fluxo da secreção mucosa dos seios da face é permanente e imperceptível. Alterações anatômicas, que impedem a drenagem da secreção, e processos infecciosos ou alérgicos, que provocam inflamação das mucosas e facilitam a instalação de germes oportunistas, são fatores que predispõem à sinusite.

Sintomas

As sinusites podem ser divididas em agudas e crônicas.

Na sinusite aguda, costuma ocorrer dor de cabeça na área do seio da face mais comprometido (seio frontal, maxilar, etmoidal e esfenoidal). A dor pode ser forte, em pontada, pulsátil ou sensação de pressão ou peso na cabeça. Na grande maioria dos casos, surge obstrução nasal com presença de secreção amarela ou esverdeada, sanguinolenta, que dificulta a respiração. Febre, cansaço, coriza, tosse, dores musculares e perda de apetite costumam estar presentes.

Na sinusite crônica, os sintomas são os mesmos, porém variam muito de intensidade. A dor nos seios da face e a febre podem estar ausentes. A tosse costuma ser o sintoma preponderante. É geralmente noturna e aumenta de intensidade quando a pessoa se deita porque a secreção escorre pela parte posterior das fossas nasais e irrita as vias aéreas disparando o mecanismo de tosse. Acessos de tosse são particularmente freqüentes pela manhã, ao levantar, e diminuem de intensidade, chegando mesmo a desaparecer, no decorrer do dia.

Recomendações

O mais importante é diluir a secreção para que seja eliminada mais facilmente;

Na vigência de gripes, resfriados e processos alérgicos que facilitem o aparecimento de sinusite, beba bastante líquido (pelo menos 2 litros de água por dia) e goteje de duas a três gotas de solução salina nas narinas, muitas vezes por dia.

A solução salina pode ser preparada em casa. Para cada litro d`água fervida, acrescente uma colher de chá (09 gramas) de açúcar e outra de sal. Espere esfriar antes de pingá-la no nariz;

Inalações com solução salina, soro fisiológico ou vapor de água quente ajudam a eliminar as secreções;

Evite o ar condicionado. Além de ressecar as mucosas e dificultar a drenagem de secreção, pode disseminar agentes infecciosos (especialmente fungos) que contaminam os seios da face;

Procure um médico se os sintomas persistirem. O tratamento inadequado da sinusite pode torná-la crônica



Fonte: Drauzio Varella

Mitral

O que é prolapso da válvula mitral ?
O que é Prolapso da Válvula Mitral (PVM)?

O PVM também conhecido como Síndrome de Barlow é a anormalidade valvar mais comum do coração , afetando 5 a 10% da população mundial.

A válvula mitral normal compõe-se em dois finos folhetos localizados entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo. Estes folhetos, em formato de para-ligam-se à parede interna do ventrículo esquerdo por uma série de feixes tendinosos, chamados de cordoalhas.

Quando o ventrículo se contrai, os folhetos da válvula mitral se ajustam perfeitamente, prevenindo o refluxo de sangue do ventrículo esquerdo para o átrio esquerdo.

Quando os ventrículos se relaxam as válvulas as valvas se abrem permitindo que o sangue oxigenado dos pulmões encha o ventrículo esquerdo.

Nos pacientes com Prolapso da Válvula Mitral o aparelho mitral (valvas e cordoalhas) é acometido por um processo chamado degeneração mixomatosa, onde a estrutura protéica do colágeno, o tecido que compõe as valvas, leva ao espessamento, alargamento e redundância dos folhetos e cordoalhas.

Quando o ventrículo se contrai, os folhetos redundantes projetam-se (prolapsam) para o átrio esquerdo, chegando às vezes a permitir a regurgitação do sangue para dentro do átrio esquerdo. Quando importante, a regurgitação mitral pode levar a
insuficiência cardíaca e a anormalidades do ritmo do coração.

Muitos pacientes são totalmente assintomáticos do prolapso da válvula mitral enquanto outros podem apresentar inúmeros sintomas como os descritos abaixo.

síndrome do Prolapso da Válvula Mitral tem uma forte tendência hereditária, embora a causa exata seja desconhecida. Os membros da família afetados freqüentemente são altos, magros, com grandes dedos e coluna reta. São freqüentemente acometidas mulheres entre vinte e quarenta anos, mas também os homens apresentam PVM.

O que sente o paciente com prolapso da válvula vitral?

Muitos pacientes com PVM de nada se queixam, mas dentre as queixas mais comuns, está a fadiga em primeiro lugar. Talvez como resultado de um desequilíbrio do sistema nervoso autônomo.

O sistema nervoso autônomo controla a freqüência cardíaca e a respiração, donde um desequilíbrio poderia causar inadequada oxigenação sangüínea durante exercício e, conseqüentemente, fadiga e palpitações. Em muitos pacientes com PVM a palpitação é o sintoma mais expressivo.

Nestes pacientes existe um potencial para o aparecimento de sérias anormalidades do ritmo cardíaco, requerendo adequada avaliação e a instituição de tratamento apropriado. A dor aguda ou pontadas no peito prolongadas são freqüentes em portadores de PVM.

A dor no peito raramente ocorre após o exercício e pode não responder aos nitratos (isordil). Ansiedade, ataque de pânico e depressão estão associados ao Prolapso da Válvula Mitral. Como a fadiga, estes sintomas talvez estejam relacionados ao desequilíbrio do sistema nervoso autônomo.

O PVM pode estar associado ao derrame cerebral em pacientes jovens, nos quais pode ser observada uma tendência aumentada a coagulação sangüínea secundária a adesividade anormal dos elementos da coagulação chamadas plaquetas. A infecção valvular, chamada de endocardite, é uma complicação rara, porém mais séria do PVM, requerendo internação e tratamento intenso com antibióticos e até mesmo, cirurgia.

É necessário salientar, entretanto, que a imensa maioria dos pacientes com PVM evolui sem qualquer problema e sem necessitar nenhum tipo de restrição nos hábitos de vida. E, mais ainda, é muito freqüente encontrar-se, durante um ecocardiograma, um prolapso da valva sem sinais de degeneração mixomatosa, condição benigna que só necessita de algum tipo de cuidado especial quando associada a regurgitação mitral.

Qual o tratamento para os portadores do Prolapso da Válvula Mitral ?

A vasta maioria dos pacientes com PVM tem excelente prognóstico e não necessita de tratamento, bastando apenas a execução anual dos exames de rotina, incluindo o ecocardiograma. Uma regurgitação mitral importante em pacientes com PVM pode levar a insuficiência cardíaca, aumento do coração e anormalidades do ritmo.

Pacientes com PVM e regurgitação mitral ou mesmo sem regurgitação, mas com evidência de degeneração mixomatosa ao ecocardiograma, usualmente devem tomar antibióticos antes de qualquer procedimento capaz de levar à introdução de bactérias na corrente sangüínea.



Fonte:(Socerj)

Bromidrose

Bromidrose: suor com cheiro desagradável
Bromidrose é o suor com cheiro desagradável, que ocorre nas axilas ou nos pés favorecido pela presença das glândulas apócrinas.

A causa é a atuação de bactérias presentes nestas regiões sobre o suor produzido pelas glândulas, provocando o odor característico.

Manifestações clínicas

A manifestação clínica é o odor fétido exalado por estas regiões do corpo após situações que provoquem a sudorese. Nos pés, podem acompanhar o quadro a maceração (aspecto esbranquiçado da pele) entre os dedos ou descamação da pele.

Tratamento

Para evitar a bromidrose, as orientações abaixo devem ser seguidas:

Lavar os locais afetados, ensaboando bem e dando preferência a sabonetes anti-sépticos.

Secar bem a pele após o banho, especialmente entre os dedos dos pés.

Trocar as roupas e meias diariamente .
Evitar o uso de tecidos sintéticos, dando preferência ao algodão.
Preferir calçados abertos.

Colocar os calçados no sol e mantê-los sempre limpos.

Evitar deixar a pele úmida por muito tempo.

O tratamento visa diminuir a população bacteriana nos locais afetados e, assim, controlar sua atuação sobre a secreção sudoral.

Pode ser feito com o uso de produtos sob a forma de talcos, sprays ou cremes contendo antibióticos e outras substâncias que dificultam o crescimento das bactérias.

Em caso de excesso de suor, a hiper-hidrose, pode-se associar substâncias anti-transpirantes.



Fonte: derm way

Desidrose

Desidrose (dermatite crônica das mãos e pés)
A dermatite crônica das mãos e dos pés consiste em um grupo de distúrbios nos quais as mãos e os pés tornam-se inflamados e irritados freqüentemente.

A dermatite crônica das mãos é conseqüência de tarefas repetitivas e do contato com substâncias químicas.

A dermatite crônica dos pés é conseqüência das condições de calor e de umidade produzidas pelas meias e calçados. A dermatite crônica pode produzir prurido na pele das mãos e dos pés além de dor.

A dermatite de contato crônica das mãos geralmente tem sua causa na irritação provocada por substâncias químicas (p.ex., sabões, detergentes, produtos para limpeza) ou por luvas de borracha (látex).

Sintomas

A ponfólige (desidrose) é um distúrbio crônico (de longa duração) que causa a formação de vesículas pruriginosas nas palmas das mãos e nas laterais dos dedos, que também pode ocorrer nas plantas dos pés. Freqüentemente, as vesículas são descamativas, vermelhas e com saída de um líquido claro e espesso.

A ponfólige é algumas vezes chamada de desidrose, o que significa "sudorese anormal", mas essa doença não tem qualquer relação com o suor. Além da dermatite de contato, a infecção fúngica é uma causa comum de erupção cutânea nos pés, especialmente as pequenas vesículas ou erupções cutâneas vermelhas e profundas.

Algumas vezes, o indivíduo com uma infecção fúngica crônica nos pés apresenta uma dermatite nas mãos decorrente de uma reação alérgica ao fungo (mícides).

Tratamento

O tratamento da dermatite crônica depende de sua causa. Na maioria dos casos, o melhor tratamento consiste na eliminação da substância química que está irritando a pele. Os cremes de corticosteróides podem ser aplicados para tratar a inflamação.

As infecções bacterianas que podem ocorrer nas lesões abertas da pele são tratadas com antibióticos. Quando a causa dos sintomas é um fungo, é prescrito um medicamento antifúngico local ou sistêmico.



Fonte: Dr. Paulo Freire

Maconha

Efeitos da maconha no organismo
A maconha é uma droga perturbadora do sistema nervoso, ou seja, ela altera o funcionamento normal do cérebro, provocando fenômenos psíquicos do tipo delírios e alucinações.

Os efeitos da droga dependem da quantidade absorvida, do tipo de preparação, da via de administração, da sensibilidade da pessoa e do seu estado de espírito no momento do uso.

Os efeitos físicos agudos não são muito importantes. Podem ocorrer: boca seca, dilatação dos vasos da conjuntiva e aumento da frequência cardíaca. A diminuição do hormônio sexual masculino e consequentemente infertilidade pode ser um dos efeitos crônicos do uso da maconha.

Não existem comprovações, mas possivelmente a maconha pode provocar também câncer de pulmão, pois contém níveis de benzopirenos semelhantes ao do tabaco. O uso prolongado provoca redução das defesas imunológicas do organismo.

Os efeitos psíquicos agudos dependem muito do estado de espírito do usuário e da expectativas do seu uso. Em algumas pessoas pode provocar euforia e hilaridade, em outras causa sonolência ou diminuição da tensão. Podem surgir também os efeitos de ilusões, delírios e alucinações.

Ocorre também uma perda da noção de tempo e espaço e diminuição da memória. Quanto aos efeitos psíquicos crônicos não existem certezas somente suposições. Possivelmente, ocorra a chamada Síndrome amotivacional, em que as pessoas perdem o interesse pelos objetivos comuns, em prol do uso da droga do seu uso.

3. Como a maconha é eliminada do organismo ?

O THC não é solúvel em água e é por isso que ele não pode ser injetado. A via de introdução são os pulmões. Essa substância é inativada pelo fígado e eliminada pelas fezes e pela urina.

4. Tolerância e dependência à maconha

O uso prolongado pode levar ao efeito de tolerância. A droga também provoca o efeito de dependência, mas não existe uma Síndrome de abstinência característica com a cessação.

5. Efeitos terapêuticos dos derivados da maconha

Alguns derivados da maconha possuem efeitos terapêuticos. Tais aplicações incluem efeitos contra vômitos e nauseas causados pela quimioterapia no tratamento de câncer e ação analgésica e anticonvulsivante.



Fonte: unifesp

Laparoscopia

Laparoscopia ou videolaparoscopia - VDL
Já utilizamos a técnica laparoscópica rotineiramente , mas é preciso deixar claro ao cliente, que a cirurgia aberta ainda tem seu papel e que seu urologista é a pessoa mais indicada para ajudá-lo a definir qual a melhor técnica a ser empregada. Leia abaixo as principais características desta técnica cirúrgica para ajudá-lo a compreender como ela funciona.

A laparoscopia possibilita a recuperação mais rápida do paciente, que sai do leito no dia seguinte.
A laparoscopia é uma técnica de cirúrgica minimamente invasiva, ou seja, na qual utilizamos apenas pequenas incisões entre 0,5 e para observar o interior da cavidade abdominal e os órgãos aí presentes, através de lentes potentes, microcameras e monitores de vídeo (televisão). É uma técnica de diagnóstico, mas pode se transformar em tratamento, na cirurgia laparoscópica. Também através destes pequenos portais, podemos utilizar instrumentos especiais sem introduzir as mãos na cavidade, manuseados do exterior, como pequenas pinças, tesouras, bisturis elétricos, “clamps metálicos” e pontos internos, todos vistos numa tela de vídeo de alta resolução, com imagens precisas e aumentadas até 20 vezes, evidenciando estruturas anatômicas e lesões, dificilmente vistas a olho nú e que são manuseadas mais delicadamente por esta técnica. Para se enxergar a cavidade abdominal, onde todos os órgãos estão juntos, “encostados uns nos outros”, precisamos distender (inflar) a parede abdominal por meio de gases e assim criar espaço interno para separá-los. O gás mais utilizado é o CO² (dióxido de carbono), um gás inerte e pouco absorvido pelo nosso corpo. A introdução do gás, proporciona um amplo espaço para este tipo de cirurgia. Tal precisão é benéfica ao paciente em termos de procedimentos mais eficientes e menos sangrantes, com pós-operatórios mais tranqüilos, menor estadia hospitalar, melhor resultado estético pelas menores incisões e menos complicações das incisões grandes, como as hérnias, quelóides (cicatrizes viciosas), infecções, etc.
Pode ser empregada sobre o rim (cálculos, tumores, estenoses de JUP, transplante, cistos, hidronefrose, etc.), suprarenal (tumores), varicocele, testículo (criptorquídico - escondido), ureteres (cálculos, fibrose retroperitoneal, etc.), bexiga (incontinência urinária, tumores invasivos, com ressalvas) e próstata (câncer, com ressalvas).
Como todo procedimento cirúrgico, tem seus riscos, que devem ser colocados aos clientes, em termos de eficiência e morbidade (possibilidade de complicar), como por exemplo, que toda cirurgia laparoscópica pode acabar em cirurgia aberta, se houver alguma dificuldade técnica, como sangramento excessivo. O bom senso deve sempre prevalecer e deixar-se bem claro que a laparoscopia não se presta a todo procedimento cirúrgico, pelo menos até este momento. Nos grandes centros de medicina no exterior, a quantidade de cirurgias laparoscópicas é muito inferior à quantidade realizada aqui no Brasil, não significando que países como Estados Unidos, Canadá, França, Itália, Espanha, Alemanha, Japão, etc. tenham dificuldades com a técnica laparoscópica, mas sim que são muito mais criteriosos com as indicações da mesma. Infelizmente em nosso país, com a péssima remuneração dos convênios ao médico, alguns colegas são levados a indicar “cirurgia laparoscópica” porque receberão um valor de honorários um pouco maior. Obviamente esta questão financeira não pode nortear as indicações da cirurgia laparoscópica. Ainda a cirurgia aberta tem seu lugar garantido ao nosso ver, como nas cirurgias radicais (urooncologia) de tumores malignos volumosos, como rim, suprarenal, bexiga e próstata, onde o objetivo é a cura e as vantagens apontadas pela laparoscopia não se sobrepõe ao objetivo da cirurgia, pois uma porcentagem ainda grande de margens comprometidas tem sido demonstradas nas tentativas de utilizar a laparoscopia como rotina nas cirurgias radicais, além do risco de “semear” o peritôneo (membrana que envolve os órgãos internos) com implantes tumorais, comprometendo assim o resultado do tratamento.

Como as demais cirurgias “sem” corte, como as RTU (ressecções transuretrais) de próstata e bexiga (veja RTU), sempre salientamos aos clientes que os riscos são os mesmos, a anestesia é a mesma e os cuidados pós-operatórios são os mesmos. O fato de não termos muita dor no pós-operatório, deixa uma falsa impressão que não houve agressão cirúrgica ao organismo.
Existe ainda uma técnica mista, onde o urologista, além do instrumental laparoscópico, introduz uma das mãos (“hand assisted”) na cavidade para auxiliar o manuseio de algum órgão, como por exemplo um rim que deve ser cuidadosamente retirado “intacto” para um transplante renal. Não existe ainda técnica consolidada para o implante do rim no receptor, apenas para a retirada do rim do doador. Em transplante por laparoscopia entenda-se apenas a retirada do doador pela técnica acima descrita.

Gastrite

Alimentação para quem tem gastrite
A gastrite caracteriza-se por uma inflamação da mucosa gástrica, geralmente manifestada por náuseas, vômito, hemorragia, dor, mal estar.

Crises ocorrem muito freqüentemente após ingestão de alimentos específicos para os quais o indivíduo já tem sensibilidade aumentada, comer muito rapidamente, comer após emoções fortes, ou quando o indivíduo se encontra muito cansado.

Excesso de álcool, tabaco ou alimentos muito condimentados podem ser fatores desencadeantes de crises de gastrite.
Segue abaixo uma orientação dietética:

Alimentos proibidos:

- Alimentos gordurosos e frituras em geral

- Frutas ácidas (laranja, abacaxi, limão, morango, damasco, pêssego, cereja, kiwi)

- Temperos (vinagre, pimenta, molho inglês, massa de tomate, molhos industrializados, katchup, mostarda, caldos concentrados, molho tártaro), picles

- Doces concentrados (goiabada, marmelada, doce de leite, cocada, pé-de-moleque, geleia, compotas)

- Frutas secas e cristalizadas

- Frutas oleaginosas (nozes, avelã, coco, amêndoa, castanha de caju e do pará, amendoim, pistache)

- Feijão e outras leguminosas

- Pepino, tomate, couve, couve-flor, brócolis,
repolho, pimentão, nabo, rabanete

- Café, chá preto, mate e chocolate

- Lingüiça, salsicha , patês, mortadela, presunto, bacon, carne de porco, carnes gordas, alimentos enlatados e em conserva

- Bebidas alcoólicas e gasosas

Alimentos permitidos:

- Leite, queijo fresco, ricota

- Chá de camomila, erva-doce, erva-cidreira, melissa, espinheira santa

- Sopas magras

- Carnes magras desfiadas, picadas, moídas, ensopadas, cozidas, assadas, grelhadas

- Ovos cozidos, poches, quentes

- Verduras e legumes bem cozidos

- Frutas (exceto as mencionadas acima)

- Pães brancos, bolachas maria, maizena e água e sal

- Arroz, macarrão simples

- Batata, mandioca, mandioquinha cozidos

Recomendação importante:

- Não ficar por mais de 3 horas sem se alimentar



Fonte:pitboorei.vilabol

Pancreatite

O que é pancreatite?
A pancreatite é uma inflamação do pâncreas. O pâncreas é uma glândula grande que se localiza atrás do estômago e junto ao duodeno. O duodeno é a parte alta do intestino delgado.

O pâncreas secreta enzimas digestivas para o intestino delgado através de um canal chamado de ducto pancreático. Estas enzimas ajudam na digestão das gorduras, proteínas e carboidratos dos alimentos.

O pâncreas também libera os hormônios insulina e glucagon na corrente sanguínea. Estes hormônios ajudam o corpo a utilizar a glicose que ele toma da comida para transformar em energia.

Normalmente as enzimas digestivas não se tornam ativas até que elas atingem o intestino delgado, onde começam a digerir os alimentos. Mas se estas enzimas tornarem-se ativas dentro do pâncreas, elas iniciam a "digestão" do pâncreas por si próprio (auto-digestão).

A pancreatite aguda ocorre subitamente e dura por um curto período de tempo e geralmente melhora. A pancreatite crônica não melhora por si só e conduz a uma destruição gradativa do pâncreas. Qualquer uma das formas pode causar complicações sérias.

Nos casos graves, podem ocorrer hemorragia, lesão tecidual e infecção. Pseudocistos, que são acúmulos de líquido e restos de tecido, também podem se desenvolver. As enzimas e toxinas podem entrar na circulação sanguínea, lesar o coração, pulmões e rins, ou outros órgãos.

Pancreatite Aguda

Algumas pessoas têm mais que um ataque e se recuperam completamente após cada um deles, mas a pancreatite pode ser grave, com risco de vida e muitas complicações. Cerca de 80 000 casos ocorrem nos Estados Unidos a cada ano, cerca de 20% deles são graves. A pancreatite aguda ocorre, em nosso meio (Brasil), mais freqüentemente em mulheres que em homens.

Pancreatite Crônica

Se a agressão ao pâncreas continua, a pancreatite crônica pode se desenvolver. A escola européia (Dr. Sarles) e brasileira (Dr. Mott) - e é o posicionamento do ESADI também - defendem que a pancreatite crônica é uma doença diferente da pancreatite aguda. O alcoólatra, neste caso, já apresenta a pancreatite crônica desde a primeira manifestação da doença, não havendo necessidade de ataques repetidos de pancreatite aguda para a doença se desenvolver.

Considera-se, neste caso, que o álcool não é responsável por pancreatite aguda mas por episódios de agudização de uma pancreatite crônica de base, desde o início. A pancreatite crônica ocorre quando as enzimas digestivas atacam e destroem o pâncreas e tecidos vizinhos, causando cicatrização e dor.

A causa mais comum de pancreatite crônica é o uso abusivo do álcool por muitos anos, mas a forma crônica também pode ser causada por uma lesão do ducto pancreático, num único ataque de pancreatite aguda. Os ductos lesados fazem com que o pâncreas se inflame, o tecido seja destruído e o desenvolvimento de tecido cicatricial.



Fonte: esadi

Herpes genital

Perguntas e respostas sobre herpes genital
. O que é herpes genital?

Uma doença causada pelo vírus herpes simplex do tipo 2, embora em 20% dos casos esteja envolvido o vírus tipo 1 (o vírus do herpes labial). É a causa mais frequente de ulceração genital nos países industrializados.

Caracteriza-se por um episódio inicial, geralmente mais grave, ao qual se segue com maior ou menor frequência surtos de atividade do vírus ao longo da vida, com intervalos sem doença em que o vírus se encontra latente.

. Quais são os sintomas?

Os sintomas caracterizam-se pelo aparecimento na área genital de lesões múltiplas geralmente acompanhadas de dor, prurido e ardor ao urinar.
As lesões do herpes desaparecem em mais ou menos 2 a 3 semanas, mas o vírus permanece as lesões podem reaparecer de tempos a tempos.

. Como se diagnostica?

O diagnóstico é geralmente clínico, através da observação das úlceras características. Poderá haver interesse em saber o tipo de vírus, pois o tipo 2 está associado a maior número de recorrências.

. Como se transmite?

Apenas pelo contato direto com lesões ou secreções infectadas, durante a relação sexual ou durante o parto.

O que posso fazer caso seja portadora deste vírus?

- Informar o parceiro;

- Saber que a transmissão, embora rara, é possível mesmo se assintomático;

- Abster-se de relações sexuais quando no período prodrómico (período com queixas mas ainda sem as lesões cutâneas) ou sintomático;

- Saber que os preservativos diminuem o risco de transmissão principalmente se cobrirem a área com as lesões, embora não o eliminem.

. Existe alguma forma de tratamento?

Sim, existe tratamento para melhorar as queixas e existe medicamentos que combatem o vírus. Estes medicamentos diminuem o tempo e intensidade dos sintomas e em alguns casos graves, quando tomados de forma contínua, podem diminuir o número de recorrências, mas não erradicam o vírus.

Durante a gravidez estes medicamentos podem ser administrados em situações excepcionais.

. Durante a gravidez posso infectar o meu filho?

Somente durante o parto e caso haja infecção ativa. O recém-nascido pode ser infectado pelo contato direto com as lesões. Num episódio inicial o risco de infecção neonatal é de 50%, no caso de uma recorrência este risco é inferior a 1%.

. Como posso prevenir a infecção ao meu filho durante a gravidez?

Não é necessário fazer nenhum teste durante a gravidez.
Se for portadora do vírus e estiver num período prodrómico ou se houver lesões ativas no momento do parto a cesariana será aconselhada, nos períodos de latência o parto vaginal não está contra-indicado.

A grávida que não seja portadora do vírus e cujo parceiro é portador deve abster-se de relações sexuais durante o 3º trimestre, no sentido de prevenir um primeiro episódio durante na altura do parto.



Fonte: www.mac.min-saude.pt

Dicas

Dicas para diminuir ou parar de consumir bebidas
Aqui vão sugestões para a modificação do seu beber:

1. SE VOCÊ FOR BEBER:

. Dilua a bebida ao invés de bebê-la pura;

. Beba pausadamente (bebericando), evitando o famoso" consumo de um só gole;

. Alterne bebidas alcoólicas com não alcoólicas;

. Procure alimentar-se durante a ingestão alcoólica;

. Evite beber diariamente.

2. AO SENTIR UM FORTE DESEJO DE BEBER:

. Procure ir a outro lugar nem que seja por um curto espaço de tempo;

. Evite inicialmente situações em que a bebida esteja ao seu alcance facilmente, como por exemplo festas, bares, shows e reuniões;

. Solicite o auxílio de uma pessoa que saiba das suas dificuldades. Deixe ela ser seu "breque" pelo menos por um tempo;

. Fale para você mesmo : "Eu controlo minha vida" . Não deixe que a bebida controle sua vida.

4- O desejo de beber não é sinal de que você é um alcoolatra inveterado. O desejo sempre vai existir. Por exemplo: imagine seu prato predileto de comida sendo que você recebe uma recomendação médica para não comê-lo até o fim de seus dias. Você pode obedecer a recomendação, mas isto não o isentará de sentir desejo quando ver alguém comendo. O que acontece neste exemplo é o controle do desejo e o mesmo acontece com o álcool.

5- Evite utilizar bebidas alcoólicas para resolver seus problemas. Na realidade você apenas foge dos problemas quando "enche a cara" , podendo até mesmo acumular mais problemas ocasionados pela intoxicação e perda de julgamento, que podem levar a atos inpensados.

6- Lembre-se que o beber não faz você ficar potente, forte, bonito, rico, extrovertido ... Quando você se alcooliza, não está sendo você mesmo. Aceite-se ! Se você não consegue aceitar-se a si mesmo, procure ajuda !

7- Determine Ações :

. Encorage amigos e familiares a ajudá-lo;

. Escolha um dia específico para iniciar sua abstenção ou modificação do consumo;

. Reduza o tempo de convívio com bebedores pesados;

. Procure engajar-se em atividades alternativas durante o período do dia em que você normalmente estaria bebendo ou quando você se sente depressivo ou stressado.

SUGESTÕES:

. Visitas a familiares ou amigos, assistir TV, vídeo, leitura, cinema, caminhadas, atividades esportivas, entre outras. O importante é conseguir detectar o que lhe dá prazer, sem que esta atividade esteja vinculada ao consumo, e substituir.

. Procure os Alcoólicos Anônimos, onde você vai encontrar pessoas que têm o mesmo problema que você e estão dispostas a ajudá-lo. Peça também a ajuda da sua família e das pessoas que lhe amam. Elas, sim, é que vão ficar muito felizes se puderem lhe ajudar a superar essa doença.


Fonte: uniad.org.br

Bulimia

Conseqüências da bulimia...
As conseqüências da bulimia são variadas e graves e podem causar lesões irreversíveis ou de difícil tratamento.

Alguns exemplos: depressão, fadiga, arritmia cardíaca, irregularidade menstrual, ossos e dentes frágeis, vasos sanguíneos dilatados na pele do rosto e problemas de estômago e esôfago).

A pessoa bulímica chega a ingerir numa hora, em calorias, o que deveria consumir durante um dia inteiro. Ao sentir-se culpada pelo excessivo consumo de alimentos e para perder peso (ou para não ganhá-lo), a doente provoca o vômito, usa laxantes e pratica exercício físico em excesso.

O continuar deste tipo de ações permite a manutenção do peso em níveis normais ou um pouco acima e, ainda, apresentar uma imagem aparentemente saudável. Esta imagem "saudável" ilude a pessoa em relação ao seu problema e dificulta, aos outros, a percepção do mesmo. Por esta razão, a bulimia é uma doença que tende a prolongar-se no tempo.

Os jovens, particularmente do sexo feminino, a partir da entrada na adolescência são o principal grupo de risco em relação a esta doença.

A doente bulímica apresenta comportamentos típicos, tais como:

. comer às escondidas;

. ingerir compulsivamente alimentos excessivamente calóricos;

. fazer grandes jejuns;

. usar laxantes e diuréticos;

. induzir o vômito;

. praticar obsessivamente exercício físico.


As consequências da bulimia são variadas e graves e podem causar lesões irreversíveis ou de difícil tratamento, como depressão, fadiga, arritmia cardíaca, irregularidade menstrual, ossos e dentes frágeis, vasos sanguíneos dilatados na pele do rosto e problemas de estômago e esôfago (causados pelos vômitos).

As consequências físicas da bulimia são várias tais como:

. Mal funcionamento renal e cardíaco (provocado pelo vômito e uso de laxantes);

. Dificuldade na concentração, mudanças de humor (devido a um desiquilíbrio químico);

. Glândulas inchadas, derrames sanguíneos por baixo dos olhos;

. Decadência dentária e problemas graves nas gengivas;

. Dores de garganta, dores no peito, cãimbras musculares e fadiga;

. Arranhões na parte de cima das mãos ou nos nós dos dedos;



Fonte: habitosalimentares

Hemorroida

Hemorróidas: sintomas, tratamento e prevenção
As hemorróidas são dilatações nas veias do ânus, que geralmente não doem e tem um tratamento simples. Mas pelo fato de sua localização, passa a ser um transtorno, o que leva muita gente a sentir vergonha ao admitir que sofre deste problema.

Geralmente, os pacientes afetados são adultos e do sexo feminino. As mulheres são as mais afetadas devido ao distúrbio estar associado à gravidez e também à prisão de ventre, um problema predominantemente feminino, que também podem estar ligado a oscilações hormonais.

Os especialistas acreditam também que as crises de hemorróidas são provocadas por fatores hereditários combinados com a pressão do abdômen ou com qualquer coisa que dificulte a circulação sangüínea no local, como no caso da gravidez ou da prisão de ventre, ou qualquer alteração no ritmo intestinal.

Outros fatores também são a obesidade excessiva, as dietas pobres em fibras, já que estas facilitam no trabalho dos intestinos, e até mesmo a tosse crônica. Fazer exercícios com a utilização excessiva de força sem moderação e feitos de forma errada, como na musculação e aeróbica, são também fatores de risco.

Mas também quem leva uma vida sedentária ou que passa o tempo todo sentado, como em profissões de digitadores e secretárias, tem também tendência a desenvolver a doença, porque cria uma pressão sobre os quadris, não movimenta a musculatura da região e não melhora a circulação sangüínea.

Sintomas:

Os sintomas das hemorróidas variam de pequenos sangramentos a pequenas irritações no local, coceira e dor intensa, dependendo do tipo e da localização. O sangramento ocorre, geralmente, após a evacuação, e raramente leva a anemia ou a hemorragia aguda. Os sintomas menos comuns são a perda de muco e a sensação de evacuação incompleta.

As hemorróidas podem ser: internas, externas e mistas.

As internas são localizadas na parte profunda do ânus, e são classificadas em graus diferentes e se agravam com o tempo. As de primeiro grau são aquelas que apenas sangram, verificado nas fezes ou no papel higiênico. As de segundo grau sangram e saem pelo ânus se forem pressionadas, mas voltam normalmente ao lugar de origem. As de terceiro grau também sangram e saem pelo ânus, mas só retornam com ajuda. AS de quarto grau, sangram e não voltam mais ao lugar. Com exceção das de primeiro grau, todas causam dor e podem incomodar.

As externas são visualizadas mesmo sem ajuda de aparelhos, e classificam-se em não complicadas e complicadas. As não complicadas apresentam uma pequena saliência chamada plicoma. As complicadas são mais doloridas, e definem-se pela presença de um hematoma ou uma trombose (uma espécie de nódulo roxo).

Tratamento:

O tratamento depende de cada tipo de hemorróida apresentada pelo paciente, que deve consultar seu médico de sua confiança para receber a melhor orientação.

As dilatações de primeiro e segundo, geralmente, são tratadas com dietas sem condimento nem álcool e ricas em fibras e líquidos. Com isso, facilita o trabalho dos intestinos, e as fezes tornam-se pastosas, não irritando as hemorróidas. Exercícios e massagens no abdômen também são indicados, porque estimulam os intestinos.

No que diz respeito à limpeza do ânus, recomenda-se substituir o papel higiênico por jatos de água ou papel umedecido para não irritar a região. E quando for enxugar o local, faça apenas uma leve pressão com uma toalha felpuda.

Quando há dor ou incomodo, o médico poderá receitar alguma pomada ou supositório.

Outro tratamento, quando a situação se prolonga, é a ligadura elástica, onde coloca-se um elástico na hemorróida interna, em uma área insensível à dor, levando a necrose e seu desprendimento. Pode-se também utilizar-se o raio infravermelho, como o mesmo objetivo da técnica anterior.

Os casos mais graves são eliminados através de cirurgia, a hemorroidectomia. Neste caso, necessita-se de anestesia peridural, e seu objetivo é retirar as veias dilatadas. A recuperação dura entre quinze a trinta dias, e são necessários alguns cuidados, como o uso de absorventes para reter as secreções da ferida, limpeza com água morna, uso de laxantes para facilitar a evacuação e de analgésicos.

Prevenção:

Para prevenir o aparecimento das hemorróidas, ou evitar que elas se agravem, é necessário alguns cuidados especiais. Primeiramente, deve-se garantir o bom funcionamento dos intestinos com uma dieta adequada e exercícios diários.

Outro meio de prevenção é educar os intestinos a evacuar logo após as refeições. Esse é o efeito reflexo, assim que os alimentos chegam ao estômago, e as estruturas intestinais começam a se movimentar para filtrar e eliminar resíduos.

Recomenda-se também manter o peso, evitar alimentos muito fortes ou picantes, e exercícios que forcem a região do abdômen.

Com alguns cuidados básicos, como estes, que são soluções simples, evita-se uma possível cirurgia, e demonstra que as hemorróidas não são tão complicadas assim.


Fonte: psfmonteverde

quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010

DISPEREUNIA

Dispareunia - dor durante a relação sexual
As dificuldades sexuais compreendem um grupo heterogêneo de queixas que incluem, por exemplo, incapacidade de relaxar, ausência de carinho após a relação sexual, medo de intimidade e dificuldade de comunicação entre os parceiros.

As dificuldades sexuais são fatores que não necessariamente implicam em falha no desempenho, mas refletem uma insatisfação sexual e pode levar a algum tipo de disfunção.

A Dispareunia é o termo médico utilizado para descrever intercurso doloroso, ou seja, a presença de dor durante a relação sexual. A disfunção pode ocorrer principalmente pela falta de lubrificação vaginal muitas vezes resultado de ausência de carícias ou preliminares, podendo ocorrer tanto no homem como na mulher.

Além da falta de lubrificação, a possibilidade de infecção vaginal também deve ser considerada, pois pode indicar inflamações pélvicas tais como herpes ou vaginite. Mesmo após a cura da infecção, algumas mulheres podem ainda apresentar dor na relação, o que resulta em uma reavaliação da prática sexual do casal que pode estar contribuindo para a disfunção.

A Dispareunia é uma queixa muito comum no consultório dos ginecologistas. Grande parte das mulheres sexualmente ativas já sentiu ou pode vir a sentir algum tipo de dor ou dificuldade sexual ao longo da vida. Essas dificuldades merecem ser discutidas e conversadas pelo casal para um melhor entendimento e possível busca de tratamento.

Alguns casais, quando não conseguem resolver os problemas sexuais sozinhos, podem buscar ajuda profissional. Os terapeutas visam promover a satisfação sexual, conceito multidimensional que engloba aspectos gerais do relacionamento do casal e aspectos específicos da relação.

A relevância e a necessidade de terapia para as disfunções sexuais demonstram a alta incidência de problemas sexuais na população, que muitas vezes não sabe como obter ajuda.

A satisfação sexual é um aspecto importante de uma relação e merece ser tratada com cuidado quando alguma dificuldade está presente.



Fonte: noivasecia

Pulmão

Afecções do pulmão
Tuberculose Pulmonar

Causada por um microorganismo denominado Bacilo de Koch, a tuberculose pulmonar atinge principalmente pessoas debilitadas, com deficiência no sistema de defesa orgânica.

Pessoas de vida e alimentação irregulares, usuários de bebidas alcoólicas e portadores do vírus da AIDS (HIV) correm um risco maior de contrair tuberculose. Importante: No caso de confirmação do diagnóstico da tuberculose, os indivíduos que mantêm contato direto e constante com o portador deverão se submeter a uma avaliação médica.

Enfisema Pulmonar

O hábito de fumar é a principal causa do enfisema pulmonar. A doença está associada a estados gripais, caracterizando-se por pneumonias freqüentes e falta de ar constante, que prejudicam o desempenho físico. A diminuição da capacidade respiratória dos pulmões atinge com mais freqüência as pessoas idosas, exigindo mais atenção.

Pneumonia

A pneumonia, um processo inflamatório dos pulmões, pode ser causada por vários tipos de microorganismos, havendo tratamento específico para cada um deles. Falta de ar, fraqueza, febre alta (no caso de pneumonia por bactérias) e diminuição da capacidade para realizar atividades físicas são sintomas característicos da doença.

OS CUIDADOS QUE VOCÊ DEVE TER

• Inclua proteínas na alimentação, em quantidades equilibradas: verduras, legumes e frutas, procurando sempre estabelecer horas certas para as refeições.

• Consuma frutas ricas em vitamina C, tais como laranja, limão, melão e abacaxi, entre outras, além de verduras como couve, alface e agrião.

• Beba sempre bastante líquido.• Evite bebidas muito geladas

.• Não tome bebidas alcoólicas.• Mantenha sua casa sempre bem ventilada, principalmente os quartos de dormir.• Evite os banhos muito quentes.

• Leve sempre um guarda-chuva e agasalho para os dias chuvosos e frios.

• Procure amamentar seu filho pelo menos nos primeiros seis meses de vida. O aleitamento é fundamental para prevenir doenças, inclusive as respiratórias. É através do leite que a mãe passa seus anticorpos para o bebê, protegendo-o contra infecções e garantindo seu desenvolvimento.

• Vacine seu filho. A vacinação completa até o primeiro ano de vida previne a criança de coqueluche, tuberculose e outras infecções respiratórias graves.

• Pratique esportes ao ar livre. Correr, nadar ou caminhar aumentam a capacidade respiratória. Mas não esqueça de consultar um médico para uma pré-avaliação das suas condições físicas.

• Em atividades profissionais que possam afetar seu sistema respiratório utilize os equipamentos de proteção fornecidos por sua empresa.

• Cuidado com a fadiga. O sono repousante e reparador evita doença.

• Evite aglomerações e ambientes fechados, onde a contaminação é mais freqüente.

• Não fume. Os efeitos do cigarro são os mesmos para as pessoas que convivem com os fumantes e pioram a situação em ambientes fechados. Filhos de pais fumantes apresentam cinco vezes mais resfriados que os de não fumantes.

• Prefira lenços descartáveis, em caso de gripes ou resfriados.



Fonte: www.drmarcoaureliopaiva.com.br

Herpes simples

Informações sobre herpes simples
Herpes simples: doença que afeta 99% da população

O herpes simples ou herpes recidivante é uma doença que afeta quase todos nós seres vivos. Muitas pessoas nem sabem que têm a doença, mas possuem o vírus escondido em seu organismo, que em condições que diminuem a resistência do mesmo, se torna ativo o que, conseqüentemente, ocasiona o herpes.

O herpes é causado por dois tipos de vírus, o tipo I e tipo II, sendo este último de localização principalmente genital e associado, às vezes, ao câncer de colo de útero.

A doença manifesta-se com ardor ou coceira local que, freqüentemente, antecede o aparecimento de bolhas pequenas agrupadas como um bouquet. Pode ocorrer em qualquer área do corpo, mas é mais comum próximo à mucosa oral ou genital.

As situações debilitantes que podem fazer o herpes manifestar são principalmente: stress, sol, distúrbios gastrintestinais, menstrual, infecções em geral, gripe, todas as doenças que diminuem a defesa orgânica, inclusive a AIDS.

Como afeta grande parte da população, procura-se ardentemente a cura para o herpes. Dizem que o primeiro laboratório farmacêutico que lançar a vacina realmente eficaz, terá o valor de suas ações tremendamente valorizado. Suspeita-se que esta vacina já esteja próxima, mas com o receio da espionagem farmacêutica pouco se fala sobre isso.

O tratamento atual consiste em uso de antivirais orais. Eles oferecem excelentes resultados nas crises agudas. Quando o paciente está com muitas crises seguidas, usamos preventivamente em doses mais baixas e por tempo prolongado. É também válido seu uso preventivo em situações de muita emoção, como por exemplo, quando o paciente vai casar, vai ficar tenso, ele provavelmente vai ativar o seu herpes.

Evita-se o uso de antivirais tópicos, pois podem induzir a resistência do vírus ao medicamento oral.

Ainda não existe vacina eficaz para o tratamento do herpes. Acredita-se que as melhoras relatadas com o seu uso são por auto sugestionamento.

Sempre lembrar que a grávida que tem herpes genital não pode fazer parto normal, deve ser feita cesariana, pois existe o risco de contaminação do bebê no canal do parto. No recém-nato, o herpes pode levar à patologia de risco de vida, como a encefalite herpética.

Uma mensagem final é que a população não deve ficar alarmada com a doença, que já tem um controle excelente. O importante é evitar o contato íntimo quando ainda existem bolhas (as lesões são contagiosas nesta fase), evitar as situações precipitantes do herpes e a certeza de que, em breve, teremos uma cura para esta doença que acomete praticamente todos nós.



Fonte: Cristina Mansur
Dermatologista

Enxaqueca

Sintomas da enxaqueca
Quais os sintomas, considerando a frequência dos mesmos, para caracterizar uma pessoa como portadora de enxaqueca?

A enxaqueca não é só uma dor de cabeça, mas uma série de sintomas, entre os quais, a dor.

Durante uma crise de enxaqueca, que pode durar entre 3 horas e 3 dias, o indivíduo pode apresentar náuseas, vômitos, aversão à claridade, ao barulho, aos cheiros, visão embaçada, irritabilidade, falta de concentração, tonturas como se fosse labirintite, obstrução nasal, tensão nos músculos da nuca e dos ombros, e até diarréia.

Um indivíduo não precisa ter todos esses sintomas para ser diagnosticado como apresentando enxaqueca, porém alguns deles, como as náuseas e/ou a aversão à claridade/barulho são tão comuns que chegam a ser quase obrigatórios para o diagnóstico.

A dor pode ser em qualquer lugar da cabeça, e isso pode originar muita confusão com outras doenças. Por exemplo, dores na face são freqüentemente confundidas com sinusite, e às vezes tratadas erradamente como tal, durante anos, sem bons resultados, È claro.

A dor possui intensidade muito variável, podendo ser desde incapacitante até muito leve. Na verdade, existem casos de crises de enxaqueca sem nenhuma dor de cabeça! Nesses casos, a pessoa pode apresentar crises de 3 horas a 3 dias, manifestando alguns dos demais sintomas da enxaqueca.

Um deles, em particular, ocorre em 10 a 15 em cada 100 enxaquecosos (nome dado aos portadores de enxaqueca), e recebe o nome de aura de enxaqueca. Aura, nesse caso, é no sentido de premonição. O indivíduo começa, de repente, a apresentar alucinações visuais: ele vê luzinhas, estrelinhas,
vagalumes piscando no seu campo visual, ou então enxerga linhas em zigue-zague, tremeluzentes, que vão aumentando em tamanho e atrapalhando a visão, ou uma perda progressiva da visão, bastante peculiar, no sentido que a pessoa passa a enxergar apenas uma parte dos objetos.

Ao olhar para um rosto, ela pode enxergar apenas meio rosto, e assim por diante. Os objetos podem dar a impressão de aumentar ou diminuir de tamanho, e nesse caso a pessoa pode esbarrar nas portas. A sensibilidade pode se alterar, com formigamentos na metade da lÌngua, e/ou l·bios, e/ou um dos membros superiores e/ou inferiores. A fala pode ficar "pastosa", a pessoa pode não se lembrar das palavras mais comuns.

Todo esse fenômeno de aura dura entre 20 minutos e uma hora, após o que, ela vai regredindo. Assim que a aura passa, a dor de cabeça, tipicamente, começa. Daí o termo aura, premonição. Acontece que algumas pessoas podem ter episódios apenas de aura, sem a dor de cabeça, daí a enxaqueca sem dor de cabeça. A desinformação reinante sobre o assunto deve ter sido responsável por muitas mortes e acidentes no trânsito.

A freqüência da enxaqueca varia de indivíduo para indivíduo. Alguns casos são mensais, outros anuais, e outros ainda, 2, 4 vezes por semana, e até todos os dias!

Um dos maiores problemas da enxaqueca é que ela pode ser desencadeada por uma série de "gatilhos", tornando a pessoa tanto mais vulnerável a saídas da rotina, quanto mais agravada estiver a sua doença.



Fonte: Dr. Alexandre Feldman

DST'S

Veja algunas doenças sexualmente transmissíveis
- Sífilis:

A primeira manifestação da sífilis se dá através de uma pequena ferida no pênis ou na vagina. Esta ferida surge duas ou três semanas após o contágio, não dói e some com o tempo. A pessoa pensa que está curada, mas a sífilis continua no sangue. Meses depois surgem manchas pelo corpo, na sola dos pés e na palma das mãos.

Estas manchas também desaparecem espontaneamente. Mas a sífilis, que persiste no organismo, se não for tratada, pode causar problemas grava nos olhos, coração e sistema nervoso.
A sífilis, na gravidez, se não diagnosticada e tratada, pode ser transmitida para o bebê causando aborto, doença grave e até sua morte após o nascimento.
Usando a camisinha, você estará se prevenindo.

- Gonorréia:

É causada pelo gonococo. De dois a quatro dias após a relação sexual com alguém infectado, o homem ou mulher sentirão ardência ao urinar e dor nas relações sexuais. O sinal é um corrimento amarelo ou esverdeado que sai do pênis, vagina ou ânus. Sem tratamento a doença pode afetar o sistema nervoso, os ossos e o coração além de causar esterilidade. Na mulher é mais difícil perceber os sintomas. Consulte um ginecologista periodicamente e sempre que você sentir alguma coisa anormal. A camisinha é a sua melhor proteção.

- Uretrite não Gonocócica:

É uma inflamação do canal da urina adquirida numa relação sexual com outra pessoa infectada. Os sintomas surgem de 8 a 10 dias após o contato e são: desconforto ou ardência ao urinar, vontade de urinar a toda hora e secreção semelhante, á clara de ovo saindo do pênis. Mulheres geralmente, não sentem e nem notam a infecção.
Com camisinha todo mundo fica prevenido.

- Herpes Genital:

Poucos dias após a relação sexual com uma pessoa infectada, pequenas bolhas agrupadas que ardem e doem muito aparecem no pênis, vagina ou ânus. As bolhas podem romper e virar feridas. As bolhas ou feridas desaparecem após cerca de duas semanas, mas atenção: o vírus fica sempre no seu corpo e novos surtos podem ocorrer.
Use sempre camisinha, você se protege e protege seus parceiros.

- Cancro Mole:

São feridas dolorosas que aparecem no pênis, vagina e ânus, dois a cinco dias após a relação. Algumas vezes aparecem gânglios(ínguas) inflamados na virilha que podem causar pus. Só o médico poderá indicar o tratamento adequado.
Previna-se, use camisinha!

- Condiloma Acuminado:

É uma doença causada por um vírus com um período de incubação que varia de semanas a meses. No princípio aparecem uma ou duas verrugas nos órgão genitais. Se não tratadas, estas verrugas crescem e se espalham. Quando muito grandes podem necessitar tratamento cirúrgico.
E não esqueça, use camisinha e previna-se.

- Tricomamniase:

O principal sintoma da tricomamniase é um corrimento amarelo esverdeado com mau cheiro. Além disso é comum a dor na relação sexual, ardência dificuldade para urinar e coceira nos órgãos genitais.
A camisinha pode prevenir esta e outras DST´s.

- Candidíase:

Na mulher, ela causa um corrimento de cor branca, com aspecto de leite talhado, sem cheiro. Nos órgãos sexuais, tanto nas mulheres quanto nos homens, há vermelhidão e coceira. Pode haver ardência para urinar.
O melhor é tratar logo e usar camisinha sempre, pois esta é a melhor forma de se manter livre das DST´s.

- AIDS:

A AIDS é o estágio avançado da infecção causada pelo HIV, um vírus que, progressivamente, vai destruindo as defesas naturais do organismo e deixando-o sensível a algumas outras infecções.
Se você se expôs ao HIV em relações sexuais sem camisinha ou compartilhando seringas no uso de drogas injetáveis, procure um médico ou centro de testagem para o HIV. Usar camisinha, ficar longe das drogas injetáveis ou não compartilhar seringas e agulhas são nossas melhores armas contra a AIDS, que ainda não tem cura.

LEMBRE-SE:

- A qualquer sinal de doença sexual, avise seu parceiro e procure imediatamente um profissional de saúde.

- Toda a demora em procurar cuidados médicos significa maior risco para você e seu parceiro.

- A maiorias das DST´s são curáveis desde que as recomendações médicas sejam rigorosamente seguidas.

- O balconista da farmácia ou seus amigos não estão capacitados para trata-lo.

- A existência de uma DST ou a exposição às DST´s aumenta em muito o risco de transmissão do vírus da AIDS.


Fonte: Unimed

HPV

Perguntas e respostas sobre HPV
1. O que é o HPV?

O HPV (papilomavírus humano) é um vírus que infecta o ser humano e que pertence a uma grande família. Até o momento, já foram identificados mais de 120 diferentes tipos.

Este vírus, após o contágio, pode permanecer
"adormecido" (sem causar lesões), provocar o aparecimento de verrugas (mãos, pés, genitais ou outras localizações) ou induzir o desenvolvimento de câncer.

2. Qual a diferença entre verrugas genitais e outros tipos de verrugas que aparecem em outras partes do corpo?

Nem todas as lesões de pele são verrugas, mas muitas delas têm em comum o mesmo fator desencadente: o HPV. Enquanto alguns tipos de HPV se desenvolvem melhor em determinadas áreas do corpo como mãos ou pés, outros têm preferência pela área genital. A verruga genital costuma se desenvolver na vulva, vagina, colo do útero, pênis e região próxima ao ânus.

As verrugas genitais se assemelham às verrugas de outras partes do corpo, e assim como estas geralmente são assintomáticas. Podem ser únicas ou múltiplas, pequenas ou grandes, cor da pele, róseas ou acastanhadas. Se não tratadas, podem crescer em tamanho e número, adquirindo aspecto semelhante ao da "couve-flor".

Vulgarmente, as verrugas genitais são conhecidas como "crista de galo"; os médicos as chamam de condiloma acuminado. Apesar dos vários nomes, todos se referem a mesma lesão.

3. A infecção genital por HPV na população em geral é comum?

O HPV é considerado a principal doença sexualmente transmissível (DST) de etiologia viral. Estima-se que de 50 a 75% dos homens e mulheres sexualmente ativos entrem em contato com um ou mais tipos de HPV em algum momento de suas vidas.

4. Como ocorre a infecção pelo HPV?

O principal meio de transmissão do HPV é através de contato sexual com pessoas infectadas. Entretanto, a possibilidade de contaminação através de objetos como toalhas, roupas íntimas, vasos sanitários ou banheiras não pode ser descartada.

5. O que ocorre quando um indivíduo é infectado pelo HPV ?

De forma geral, o organismo pode reagir de três maneiras:

1- A maioria dos indivíduos (>90%) consegue eliminar o vírus naturalmente em cerca de 18 meses, sem que ocorra nenhuma manisfetação clínica.

2- Em um pequeno número de casos, o vírus pode se multiplicar e então provocar o aparecimento de lesões, como as verrugas genitais (visíveis a olho nu) ou "lesões microscópicas" que só são visíveis através de aparelhos com lente de aumento. Tecnicamente, a lesão "microscópica" é chamada de lesão subclínica.

Sabe-se que a verruga genital é altamente contagiosa e que a infecção subclínica tem menor poder de transmissão, porém esta particularidade ainda continua sendo muito estudada.

3- O vírus pode permanecer "adormecido" (latente) dentro da célula por vários anos, sem causar nenhuma manisfetação clínica e/ou subclínica. A diminuição da resistência do organismo pode desencadear a multiplicação do HPV e, conseqüentemente, provocar o aparecimento de lesões clínicas e/ou subclínicas.

6. Quanto tempo após ser infectado surgem as verrugas genitais?

A incubação, ou seja, o período necessário para surgirem as primeiras manifestações da infecção pelo HPV é de aproximadamente 2 a 8 meses, mas pode demorar até 20 anos! Assim, devido a esta ampla variabilidade para que apareça uma lesão, torna-se praticamente impossível determinar em que época e de que forma um indivíduo foi infectado pelo HPV.

7. Qual a relação entre o HPV, verrugas genitais e o câncer?

Os tipos de HPV relacionados ao câncer do colo do útero normalmente não são os tipos que causam as verrugas genitais; estas últimas costumam ser causadas por tipos de "baixo risco".

Um pequeno número de tipos de HPV chamados de "alto risco" estão relacionados ao desenvolvimento de câncer do colo do útero, vagina, vulva, pênis e ânus. Todos estes cânceres possuem tratamento e podem ser detectados precocemente através de exames simples e periódicos, ou seja, em consulta médica de rotina.

8. O curso da infecção pelo HPV é igual para o homem e a mulher?

Tanto o homem como a mulher que estão infectados pelo HPV e que não possuem verrugas visíveis, na maioria das vezes desconhecem que são portadores do HPV, e que podem transmitir o vírus aos seus parceiros sexuais.

No entanto, a evolução, a manifestação e o tratamento são diferentes no homem e na mulher. Isto se deve, principalmente, às diferenças anatômicas e hormonais existentes entre os sexos. Na mulher existe um ambiente mais favorável para o desenvimento e multiplicação do HPV, podendo ocorrer complicações mais sérias, como lesões, que se não tratadas podem evoluir para câncer.

9. Qual a complicação mais grave na mulher?

O câncer do colo do útero está altamente relacionado ao HPV. No entanto, apenas a infecção pelo HPV não é capaz de provocar este câncer. Esta possibilidade está na dependência de alguns fatores como tipo de HPV, resistência do organismo e genética da pessoa. Menos de 1% das mulheres infectadas pelo HPV desenvolverão câncer do colo do útero.

Deve-se ter em mente que este tipo de câncer ou lesões que o antecedem (pré-câncer) podem ser detectados em praticamente 100% dos casos, através de exames preventivos muito simples e aos quais todas podem ter acesso: o Papanicolaou e a Colposcopia (aparelho com lentes de aumento para ver lesões muito pequenas).

Em condições normais, o tempo de evolução entre o contato com o HPV e o desenvolvimento do câncer do colo do útero dura em média 10 anos. Assim, a probabilidade de uma mulher que realiza exame ginecológico preventivo regularmente ter câncer do colo do útero é extremamente pequena.

O tratamento das lesões que antecedem o câncer é simples e efetivo, e o mais importante é que ele impede o desenvolvimento para câncer. Na maioria das vezes é realizado com pequena cirurgia que conserva o corpo do útero, permitindo futuras gestações.

10. É possível que indivíduos que não tenham relações sexuais há vários anos possam vir a desenvolver verrugas genitais?

Sim. O contato com o vírus HPV pode ter ocorrido há vários anos e este permaneceu "adormecido" (estado latente). A diminuição da resistência do organismo pode desencadear a multiplicação do HPV e, conseqüentemente, provocar o aparecimento de lesões clínicas e/ou subclínicas.

11. Como as verrugas genitais são diagnosticadas?

Conforme a localização das lesões, pode ser difícil verificar a presença de verrugas genitais apenas pelo auto-exame. Nem sempre é possível notar a diferença entre uma verruga e outros tipos de lesões de pele. Desta forma, sempre que houver suspeita de infecção pelo HPV, é altamente recomendável procurar o médico. Este profissional poderá não só orientar e tratar, como também realizar exames apropriados, caso sejam necessários.

De forma geral, o diagnóstico das verrugas genitais pode ser realizado durante uma simples consulta. Entretanto, o diagnóstico da infecção subclínica requer exames com aparelhos com lente de aumento (colposcópio ou lupa). A infecção latente só pode ser diagnosticada através de testes laboratoriais sofisticados, que têm indicação restrita a casos específicos.

12. O que se deve saber sobre HPV, verrugas genitais e gestação?

Devido às alterações hormonais que ocorrem durante a gestação, as verrugas podem aumentar em tamanho e número. Somente se as lesões forem muito grandes a ponto de interferir na passagem do bebê pelo canal de parto, é que a cesareana poderá ser indicada. Caso contrário, lesões pequenas, microscópicas ou latentes não contra-indicam o parto vaginal.

Quanto aos bêbes de mães que possuem verrugas genitais, na grande maioria estes nascem saudáveis, existindo risco mínimo de desenvolverem verrugas no futuro.

É muito importante que a gestante informe ao seu médico, durante o pré-natal, se ela ou seu parceiro sexual já tiveram ou têm HPV.

13. É normal se sentir decepcionado/deprimido após receber o diagnóstico de infecção pelo HPV ou verrugas genitais?

Sim, muitas pessoas se sentem decepcionadas. Podem ocorrer sentimentos de vergonha, diminuição do desejo sexual, medo de ter câncer, revolta contra os parceiros sexuais, mesmo que normalmente não seja possível saber exatamente em que época ou de que forma ocorreu o contágio pelo vírus do HPV.

14. Como se faz a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST), inclusive o HPV?

Alguns cuidados são fundamentais na prevenção de qualquer DST como a infecção por HPV ou verrugas genitais:

1. Reduzir o número de parceiros sexuais. Quanto maior o número de parceiros, maior o risco de contrair/transmitir qualquer DSTs, inclusive o HPV e o vírus da AIDS.

2. Uso consistente e correto de preservativos (masculinos ou femininos), para todos os parceiros sexuais, desde o início até o fim da relação sexual. O uso de preservativos reduz muito a probabilidade de se adquirir / transmitir uma DST, inclusive o HPV e o vírus da AIDS. Qualquer DST funciona como fator facilitador na aquisição e transmissão do vírus da AIDS (HIV).

3. Se houver suspeita de que o parceiro sexual tenha qualquer DST é altamente recomendável consultar o médico. Até que isto seja feito, também é recomendável abster-se das relações sexuais com este parceiro, até que o tratamento seja realizado, se for o caso.

4. Não se auto-medicar, pois desta forma a DST pode ser "mascarada", ou seja, parece que foi tratada mas continua ativa.
5. Não compartilhar objetos de uso íntimo com outras pessoas e fazer higiene de objetos de uso comum antes do uso (exemplo: vaso sanitário).

"O USO DE PRESERVATIVOS É O MÉTODO MAIS EFICAZ PARA REDUÇÃO DO RISCO DE TRANSMISSÃO DO VÍRUS DA AIDS (HIV) E DE OUTROS AGENTES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS, INCLUSIVE O HPV"

15. Como se tratam as verrugas genitais?

O objetivo do tratamento deve ser a remoção das verrugas visíveis e eliminação dos sintomas indesejáveis. As recidivas são relativamente freqüentes pois mesmo destruindo a verruga não se consegue eliminar totalmente os vírus existentes na área genital.

Como em qualquer doença viral, o sucesso do tratamento depende, em grande parte, da resistência específica de cada indivíduo. Assim, medidas gerais são também importantes para ajudar a melhorar os mecanismos de defesa como: diminuir o estresse, parar de fumar, alimentação equilibrada e horas de sono adequadas.

Existem várias opções de tratamento. Os fatores que podem influenciar na escolha do tratamento são: localização, tamanho e número de verrugas, alterações nas verrugas, preferências do paciente, custo do tratamento, conveniência, efeitos adversos e experiência do profissional. Hoje em dia, existem tratamentos que são feitos pelo médico e outros que podem ser aplicados pelo própiro paciente. O paciente deve consultar seu médico para saber qual tratamento é mais adequado e nunca deve se auto-medicar.

Existe uma nova alternativa terapêutica que pode contribuir para maior adesão ao tratamento, é um creme de uso tópico contendo a droga imiquimod, que o próprio paciente aplica sobre as verrugas, sem causar dor e sem necessidade de ir várias vezes ao consultório para se tratar. Esta droga tem mecanismo de ação inédito, agindo no sistema imunológico para combater as células contaminadas pelo HPV, o que reduz drasticamente a chance de reaparecimento das verrugas após o tratamento.

Enquanto os demais procedimentos destroem a verruga, esta droga aumenta a produção local de substâncias próprias do sistema imune, como o interferon e outras citocinas, que auxiliam no combate a doenças virais e previnem recorrência das verrugas genitais.

Alguns especialistas sugerem evitar contato sexual durante o tratamento para proteger a área tratada de fricções e ajudá-la a cicatrizar mais rapidamente.

16. Também se trata infecção subclínica e latente por HPV?

Até o momento não existem tratamentos para infecção latente por HPV; na maioria dos casos o próprio organismo se encarrega de eliminar o vírus.
Só existe indicação para tratamento na infecção subclínica quando há sintomas como coceira ou quando existe associação a lesões precursoras do câncer.



Fonte: prevencaodecancer.com.br

terça-feira, 23 de Fevereiro de 2010

TV

COMO CONECTAR A TV AO COMPUTADOR

Primeiro de uma olhada na sua placa de video e veja se ela possui alguma saída de video para se utilizar na tv ou seja s-video, DVI ou Hdmi, se esta possuir alguma dessas vc precisa localizar na sua tv se ela possui a mesma conexão para entrada se não possuir o que e difícil em tvs de plasma então vc vai precisar de um cabo que converta da saída do pc para a tv através da conexão RCA ou simplesmente vc pode verificar se sua tv possui conexão VGA que e a mesma utilizada pelo monitor e ligar a tv neste, depois e so configurar pelo software da placa de video no pc para habilitar a saída.
Se a imagem não ficar boa o que e normal nessas tvs, isso se deve pela resolução que estas alcançam que são baixas em comparação os monitores.

Jovem

Jovem para sempre? Só depende de você...

A receita para se manter eternamente jovem se baseia em:
1) dormir bem;
2) alimentar-se bem;
3) atividade física regular;
4) hábitos saudáveis (não fumar ou não consumir excesso de álcool etc.).
A principio parece simples, mas quando me deparo com os pacientes vejo que a coisa é bem mais complexa do que parece. Gostaria de comparar tal situação com o velho refrão de que para ganharmos o jogo “é só chutar a bola bem forte no ângulo”. Parece incrível, mas a dificuldade que as pessoas tem de seguir a receita acima é tão grande quanto a de um jogador acertar o ângulo, e eu explico porquê: Estes pacientes envelheceram no espírito.... Como o meu paciente vai dormir bem, se apesar de cansado, os problemas não param de bombardear sua cabeça? Ele é literalmente controlado por sua mente gerando insegurança, ansiedade e noites mal dormidas. É comum sonharmos com os fatos marcantes do dia. Muitas vezes estes pacientes sonham com fracassos que não ocorreram e acordam cabisbaixos e mal humorados. Ora, se o paciente esta ansioso, vai procurar prazeres na comida, bebida ou ainda no cigarro quando não em outras “válvulas de escape” piores. De que maneira um cara destes vai conseguir alimentar-se bem? Ou ainda vai ter disposição para uma atividade física regular. Como reverter o envelhecimento do espírito? Você pode e deve, urgentemente, aprender a se desligar.
Fica difícil não associar juventude eterna a um espírito eternamente jovem ou ainda a uma mente jovem. O que caracteriza vocês, jovens, é a sua potencialidade pura de escolher o que vai ser, o que vai realizar. É a sensação de estar sempre descobrindo o novo, o desconhecido. É a capacidade infinita de sonhar...Com o passar dos anos nos confrontamos com frustrações e começamos a envelhecer espiritualmente. Se ficarmos nos remoendo na frustração, nos culpando ou ainda não enfrentando a situação, fatalmente envelheceremos no espírito e conseqüentemente no corpo. Se ao invés disso, aprendermos com as experiências (frustrações ou alegrias), ai então manteremos a juventude (espírito jovem) associada a força da vivência. O mais legal de tudo isto é que cabe a nós a decisão de sofrer ou aprender, ou ainda de envelhecer ou de tornar-se um jovem maduro. O melhor de tudo é que vários estudos mostram que o otimismo é contagioso e pode ser aprendido.
Hoje está bem claro o reflexo da mente na saúde física. Basta observar pessoas, antes sadias, que desenvolvem surtos psicóticos. Em questão de semanas a aparência destes pacientes fica nitidamente envelhecida com o ganho de peso e até de cabelos brancos. Recentemente um estudo em um convento, que analisou detalhadamente os diários de centenas de freiras anciãs, revelou que aquelas com personalidade otimista, intelectual e alegre tinham menor chance de desenvolver a demência senil e pré-senil (mal de Alzheimer). Assim como sabemos que os otimistas e alegres tem menor risco para as mais diversas patologias, desde infarto agudo do miocárdio (popular “infarte”) aos mais diversos tipos de câncer. Ou seja, o estado de espírito age diretamente na saúde física.
Se somos nós que decidimos a qualidade do espírito e da mente, como mantê-lo eternamente jovem? Aqui vão umas dicas que com certeza irão ajudar, principalmente se você ainda é jovem cronologicamente.
a. Analise diariamente a sua rotina. Pergunte a si mesmo o que aprendeu naquele dia, o que te aborreceu e porque te aborreceu. Enfrente o problema sempre, nunca deixe para depois. Nunca se culpe (a culpa é o maior inimigo do espírito jovem) perdoe-se sempre. Se achar mais fácil escreva tudo em um papel ou diário antes de dormir. Isto vai te economizar anos de análise no futuro.
b. Descubra o que você gosta de fazer estipulando metas acessíveis. Se ainda não escolheu seus objetivos é porque não experimentou o suficiente. Viva intensamente, e quando experimentar algo que toque seu interior mais profundo, focalize aí. E siga em frente, sem medo de ser feliz. Esta será a sua meta, sua vocação, seu objetivo de vida.
c. Visualize suas metas e objetivos concretizados.
d. Diga toda noite, após 10 respirações profundas, que você terá uma noite de sono tranqüila e agradável, e que quer acordar com soluções (você não vai acreditar como isso funciona! Tente!).
e. Espreguiçar-se sempre antes de levantar ao acordar (como os animais!!).
Agora que temos recursos para manter o espírito jovem fica fácil seguir a receita para a juventude eterna.
1. Durma bem: É fato a associação de noites mal dormidas com as mais diversas doenças tais como envelhecimento precoce (por menor produção de hormônio do crescimento), fibromialgia (dores musculares crônicas e persistentes); fadiga crônica, síndrome do pânico, problemas intestinais (colon irritável), entre outras.
2. Alimente-se bem: Coma regularmente muitas frutas, verduras, grãos, castanhas e pelo menos um tipo de carne por refeição (bovina, peixe ou aves). Coma entre as refeições (uma fruta ou barra de cereal) e faça uma refeição leve no jantar. Faça as refeições com calma longe da televisão. Lembre-se, quanto mais colorido o seu prato mais “jovem” e saudável ele será.
Recentemente fiz uma análise detalhada das qualidades dos alimentos e conclui que todas evidências científicas apóiam o equilíbrio. Isto é, quanto mais variada a dieta sem exagerar em um tipo específico de nutriente, melhor. Além disso, tudo que o nosso organismo precisa esta disponível na natureza, e quando obtemos os nutrientes das fontes naturais, manipulamos estes nutrientes de maneira mais adequada (melhor do que nas vitaminas sintéticas). Obviamente isto era esperado, pois o nosso organismo foi programado para existir com nutrientes naturais.
3. Atividade física regular: Importante; descubra a atividade física que te dê prazer. Vários estudos mostram que a atividade física regular está associada a baixos índices de doença coronariana, câncer entre outras. Além disso o exercício regular estimula a liberação de endorfinas. Estas substâncias têm forte poder antidepressivo e dão uma sensação salutar de bem estar e equilíbrio. É comum após o esporte aquele ‘problemão’ virar um ‘probleminha’, pois passamos a olhá-lo por outro prisma, com mais serenidade e segurança.
4. Hábitos saudáveis: Está bem documentado que o consumo excessivo de álcool, tabaco, drogas, aumentam barbaramente a incidência de câncer e levam ao envelhecimento precoce. Portanto, inimigos mortais da boa saúde e da juventude.
Cuidado com falsas promessas: Muito em moda hoje nas academias é o hormônio do crescimento, creatina, assim como hormônios anabolizantes que literalmente transformam o corpo do usuário aumentando a massa muscular e melhorando a flacidez da mulher. O fato é que todas as evidências científicas apontam para toxicidade das mais variadas além do alto risco de aparecimento de câncer nos usuários destas substâncias. Portanto, apesar de um resultado estético imediato, a médio e longo prazo o preço a ser pago pode ser fatal.
Concluindo, tenha sempre em mente que por trás de um corpo jovem está uma mente e um espírito jovem, fonte da juventude eterna. Só depende de você!!!

Espirito

A Saúde ótima e a prevenção das doenças começam no espírito

Existem cada vez mais evidências de que antes de adoecermos no corpo, adoecemos no espírito. Isto é, quando o paciente vem me procurar com uma queixa crônica, esta queixa ou sintoma esta diretamente ligada a algum tipo de insatisfação. Seja ela, no campo afetivo, profissional ou pessoal. Evidentemente fica difícil de provar isto, porem a relação causa e efeito é tão evidente que até os profissionais mais céticos estão passando a aceitar esta possibilidade. Geralmente isto ocorre pela pressão intensa do meio ambiente que gera uma auto cobrança intensa seguida de frustração, sensação de falha e autopunição. O interessante é que este mecanismo de comportamento prevalece independente do nível cultural, faixa etária, sexo, nível social ou ramo profissional. Como lidar com isso?
Baseado na minha experiência observando o comportamento humano, no consultório, elaborei algumas dicas úteis para tentar manter o espírito e a auto-estima em alta.
1. Muitas vezes o paciente vem extremamente estressado. Pergunto então ha quanto tempo ele não faz algo que goste. Muitas vezes eles não se lembram. Portanto, faça mais vezes o aquilo que goste. Quando fazemos aquilo que gostamos, estamos nos agradando e melhorando a nossa auto-estima, estamos dizendo para nós mesmos que nos amamos. Ex: esporte que nos agrade, um “choppinho amigo” com uma pessoa que gostamos e que não vemos há algum tempo.
a. Esporte: o exercício regular estimula a liberação de endorfinas. Estas substâncias têm forte poder antidepressivo e dão uma sensação salutar de bem estar e equilíbrio.
b. Num “choppinho amigo”, fatalmente daremos algumas risadas. Vários estudos, que mostram atividade cerebral, revelaram que a risada é a única emoção em que todo o cérebro é estimulado. Outros estudos revelaram que pessoas alegres têm menos risco de desenvolver doenças cardíacas ou câncer.
2. Na maioria das vezes o motivo da insatisfação é um sentimento de culpa ou fracasso. Portanto, lembre-se de que não existe fracasso nem sucesso, mas sim experiência e aprendizado. Independente da emoção trazida pela experiência, tristeza ou alegria (no sucesso), devemos ponderar friamente o que aprendemos. Com essa visão sairemos sempre mais fortalecidos para as próximas experiências. Afinal, qual é o propósito desta vida? Não é viver e aprender, ou ainda, a vida não é uma grande lição?
3. Ainda baseado no tema acima, vai aqui outra dica:
a. Perdoe-se sempre
4. As vezes o paciente entra em um ciclo de pensamentos pessimistas e sem objetividade. Isto “trava” qualquer idéia ou chance de desenvolvimento. Portanto, encha a mente de pensamentos positivos e relaxe. Visualize suas metas concretizadas. Procure conversar com alguém otimista ou até mesmo um profissional.
5. Canso de ouvir as pessoas reclamarem da falta de diálogo. O que observo, é que mais importante do que o diálogo é a falta de conversa consigo mesmo. Pergunte sempre a si mesmo, quais são as suas aspirações? Seus projetos profissionais? Como anda o seu lado afetivo? E se conscientize daquilo que te serve e daquilo que não te serve. Caso não saiba o que quer, lembre-se daquele dia em que acordou de bom humor. Então pergunte a si mesmo, porque estava de bom humor naquele dia. E assim vamos nos conhecendo e vivendo sem desperdiçar um só segundo da nossa vida. Um momento bom para esta conversa é após o banho, sexo, esporte ou sauna. Portanto, converse consigo mesmo diariamente, sem culpa ou autopunição.
6. Uma outra causa comum de insatisfação, e o complexo de inferioridade ou ainda o de superioridade. Tal sensação literalmente “empaca” o indivíduo para qualquer tipo de atividade ou atitude diante da vida. Isto gera uma avalanche de pensamentos pessimistas em um rodamoinho sem fim. O que temos de entender é que ninguém é melhor ou pior do que ninguém. Imaginemos que um avião, com todo o senado norte-americano (Bill Clinton inclusive) e com um índio amazonense, caia no meio da floresta amazônica. Quem vai liderar a população sobrevivente? O todo poderoso Bill Clinton? É claro que com todo o seu conhecimento, o índio é que vai liderar os sobreviventes. Um lixeiro, um marceneiro, um médico, tem muito que ensinar a um banqueiro, ou ao Presidente da República. A questão a ser discutida, não é se somos piores ou melhores, mas sim o queremos aprender nas diferentes fases da nossa vida. O fato é que todos sempre têm algo a nos ensinar e vice-versa. Com esta postura, jamais pisaremos em alguém ou ainda nos sentiremos menos que ninguém.
7. Ame-se de paixão. Muitas vezes estamos com a auto-estima tão abalada que não conseguimos gostar de nós mesmos. Quando diante desta situação, sugiro se lembrar de um momento em que se sentiu orgulhoso de si mesmo, um dia vitorioso. Alimente estas idéias no seu interior, e então será muito mais fácil se amar.
8. Durma bem: vários estudos mostram que distúrbios do sono estão associados á envelhecimento precoce (por menor produção de hormônio do crescimento), fibromialgia (dores musculares crônicas e persistentes); fadiga crônica e síndrome do pânico entre outras. Na maioria das vezes o paciente não consegue se desligar dos pensamentos diários, das responsabilidades do cotidiano. Como lidar com isso? Após um banho, deite-se, tome 10 respirações profundas e se transporte mentalmente para um lugar agradável onde você foi um vitorioso (esporte, sexo, profissão). A partir deste ponto, diga para si mesmo que quer ter uma noite de sono agradável e saudável. E que você deseja se desligar dos problemas durante o sono. Diga ainda, que quer acordar com soluções. Isto geralmente funciona bem. Lembre-se de se espreguiçar bem antes de levantar (como os animais). Caso o problema persista, procure o médico da sua confiança.